17 de dezembro de 2014

FELIZ NATAL E UM EXCELENTE 2015

2014 foi ano de recordes no Porto de Aveiro, deixamos algumas fotos que registam o ano que está quase a terminar, e que mostram o que no Porto de Aveiro se fez.  Contamos que 2015 seja ainda melhor. Obrigado por nos acompanhar e conte com os estivadores de Aveiro para movimentar a sua carga.
                                    

16 de dezembro de 2014

Leixões comemora 650 mil TEUS num só ano

O Conselho de Administração da APDL – Administração dos Portos do Douro e Leixões e o Conselho de Administração do TCL – Terminal de Contentores de Leixões promovem, esta terça-feira, 16 de Dezembro, pelas 11:30, uma cerimónia comemorativa da movimentação de 650 mil TEU’S num só ano, em Leixões.
A cerimónia decorre na Estação de Passageiros.
O acesso de viaturas à Estação de Passageiros deverá ser efectuado pela Portaria do Porto de Leixões, em Leça da Palmeira, por baixo da ponte móvel.

De DERROTA em DERROTA....

Lá vão trabalhando os mesmos do costume para pagar tanta cabeçada, que os ilustres continuam a dar...não pagam a quem trabalha, talvez já a pensar no que tinham de pagar aos tribunais etc... De Derrota em Derrota lá continuam a caminhada gloriosa. Quando deixarem as pessoas abrirem os olhos, talvez já vá ser tarde demais. Começo a ter dúvidas, será que as pessoas que falam castelhano já tiveram direito algum processo??? Bem, conhecendo os malabarismos desta malta, quando menos se esperar, os que falam castelhano devem ter direito ao processo...a ver vamos.

Almoço de Natal

Mais um ano quase a terminar, e 2014 teve a particularidade de ser o melhor ano de sempre no Porto de Aveiro. Com os operadores portuários, AVEIPORT E SOCARPOR a formarem a GPA ( Gestão Portuária de Aveiro ) onde nós os trabalhadores podemos exercer a nossa função. Com muitos investimentos por parte destes operadores, os trabalhadores corresponderam da melhor maneira ao ano 2014. Fim de semana festivo, com almoço convívio já a cheirar a NATAL. Mais fotos no nosso  facebook .


12 de dezembro de 2014

Terminal de contentores no Porto de Leixões - Sabia Que?

Pelo terminal de contentores no Porto de Leixões passam por ano mais ou menos 550 mil contentores. Como é possível organizar este puzzle? Foi o que viemos aqui fazer, para encontrar respostas. Declarações de Nuno David Silva, terminal contentores Porto de Leixões; Paulo Moreira, sistemas . 
                      

Agrupamento ETE/ETF vence concessão do Terminal Multipurpose de Lisboa

O Agrupamento ETE/ETF venceu o concurso de concessão do Terminal Multipurpose de Lisboa, uma concessão que durará, previsivelmente, até fevereiro de 2021, e implica o exclusivo da exploração comercial do Terminal, cuja área mede cerca de 48.935 m2.
Para além desta proposta, foi também avaliada uma outra candidatura apresentada pelo Agrupamento TML (TMB – Terminal Multiusos do Beato, Multiterminal, Mota Engil Logística, Portmar – Agência de Navegação e Sogestão).
As duas propostas foram submetidas no âmbito do concurso público lançado pela Administração do Porto de Lisboa (APL) para a atribuição da concessão da atividade de movimentação de carga geral contentorizada e fracionada, na área do domínio público do Estado afeto à administração da APL – Administração do Porto de Lisboa, S.A, atualmente identificada como “TML – Terminal Multipurpose de Lisboa”.
A APL assegurará que o terminal se mantém operacional durante o período de transição do atual operador para o novo concessionário.
Esta concessão marca uma nova era no sector portuário nacional, maximizando a eficiência dos terminais em detrimento da cobrança de taxas pela utilização do espaço e das cargas movimentadas pelos carregadores. Com efeito, a fórmula de cobrança ao futuro concessionário privado do concurso estabelece um patamar de movimentação de 54 mil contentores cheios por ano no TML, assegurando também que a receita da administração portuária passa para o mercado.

4 de dezembro de 2014

O Gigantesco, "Pieter Schelte"



Em Junho de 2010 o grupo suíço, Allseas, adjudicou a construção do navio, "Pieter Schelte", aos estaleiros sul-coreanos da Daewoo. O "Pieter Schelte", é  catamaran com 382 mts de comprimento, 124 mts de boca, com posicionamento dinâmico (DP),  com capacidade para a instalação/desinstalação de plataformas offshore, e pipeline.
Equipamentos como geradores, propulsores e sistemas de DP, foram encomendados em 2007, o aço de alta resistência para os sistemas de elevação foi encomendado em 2008,  o desenho do casco ficou concluído em Maio de 2010,. Equipamento para os sistemas de elevação e pipeline,  foram encomendados em 2011  e 2012. Mas a sua idealização é mais anterior.
O "Pieter Schelte", terá uma capacidade de elevação de 48.000 tons com o sistema instalado na proa, e de 25.000 tons com o sistema da popa. Sua capacidade de tensão pipeline será de 2.000 tons, suplantando a capacidade do "Solitaire", também da Allseas, e assim superando este como o maior navio pipeline do mundo. O navio encontra-se em viagem da Coreia para a Holanda, mais precisamente com destino ao porto de Roterdão, onde será concluído, nomeadamente com a instalação dos sistemas de elevação. Espera-se que esteja pronto para iniciar as operações offshore  no Verão de 2015.
O navio está equipado com oito geradores a diesel, fornecendo uma potência total instalada de 95 MW, accionando 12 propulsores azimutais de posicionamento dinâmico (DP3) e de propulsão. A velocidade máxima é de 14 nós e tem uma capacidade de alojamento de 571 pessoas em cabines duplas.
Entretanto em  Novembro de 2013, a  Allseas anunciou planos para construir um segundo navio single-lift maior do que o, "Pieter Schelte", a ser entregue em 2020.
      

3 de dezembro de 2014

Descarregado no PORTO DE AVEIRO

Vídeo que mostra o transporte de um molde para pá eólica que foi carregada no porto de Aveiro, Terminal de Granéis Sólidos.

            

ODIN

Retirar da água com a grua do operador portuário AVEIPORT,  a "ajudante" da draga, que nestes dias tem dragado o porto de Aveiro. Mais fotos no nosso facebook.




PORTO DA FIGUEIRA DA FOZ

A Altri e a Luís Simões vão passar a efetuar o transporte de pasta de papel entre a fábrica na Leirosa (Celbi) e o porto marítimo da Figueira da Foz, com conjuntos rodoviários de 25,25 metros e peso bruto de 60 toneladas, que são vulgamente designados de ‘gigaliners’ ou megacamiões.
A Luís Simões irá utilizar oito veículos com estas caraterísticas, o que permitirá reduzir em 33 por cento o número de camiões a circular entre a unidade da Altri (Celbi) e o porto da Figueira da Foz, assim como diminuir o consumo de combustível em cerca de 15 por cento por tonelada / percurso percorrido.
Desenvolvida pela Luís Simões e pela Altri, a solução é otimizada às necessidades da Altri e às caraterísticas do transporte de pasta de papel, com fluxos tensos e janelas horárias reduzidas.
Nesta operação, o megacamião ou gigaliner consiste na combinação de um trator de de três eixos, acoplado a um ‘dolly’ (um pequeno chassis com dois eixos e conduzido por uma lança móvel semelhante a um reboque), com prato de engate, que possibilita o acoplamento de um semirreboque de 13,62 metros.
Esta combinação permite circular com um peso bruto até 60 toneladas (sendo o convencional até 40 toneladas), e cumpre os requisitos legais relativos ao raio de viragem (consegue descrever um círculo que não ultrapassa os 12,5m de raio de viragem e um raio interior de 5,3m) e, por ter oito eixos, apresentando pesos por eixo inferiores aos máximos permitidos por lei atualmente, permitindo uma redução estimada em cerca de 30 por cento no desgaste nas vias rodoviárias, comparativamente ao desgaste provocado pelos veículos convencionais (de cinco eixos).
A utilização de megacamiões com comprimento de 25,25 metros e peso bruto de 60 toneladas para transporte de pasta de papel está prevista no Decreto-Lei nº133/2014, de 5 de setembro, designadamente no número 3 do artigo 8º - A, onde se pode ler que “os veículos a motor-reboque com cinco ou mais eixos que efetuem exclusivamente transporte de material lenhoso, nomeadamente toros de madeira, aparas de madeira e similares, papel, pasta de papel, produtos cerâmicos, produtos siderúrgicos, minérios, produtos vitivinícolas, frutas e produtos hortícolas e pecuários, incluindo os transformados, em carga não contentorizada, ou contentorizada em dois contentores ISO de 20’ ou um contentor ISO de 40’, podem circular com um peso bruto de 60 toneladas, desde que tenham origem ou destino num porto nacional”.
Os processos de estiva, amarração, descarga, movimentação e acessos no interior da unidade industrial da Altri (Celbi) e no porto da Figueira da Foz foram alvo de redesenho e objeto de avultados investimentos, com o propósito de aumentar a eficiência global da operação.


1 de dezembro de 2014

29 de novembro de 2014

Foto by JUCA


O Estrelinha e o Téca


Limpezas difíceis

Ganga da limpeza do "pó branco" num navio 5 * . Cavernas e mais cavernas.

Porto de Aveiro continua nos máximos

No dia 18 do corrente mês de Novembro, o Porto de Aveiro atingiu um novo record no que reporta à quantidade de mercadorias movimentadas num ano, ao ultrapassar o anterior máximo estabelecido no final de 2013.
Ainda a mês e meio do fim do ano, o Porto de Aveiro ultrapassou pela primeira vez na história da sua atividade os 4 milhões de toneladas movimentadas, garantindo que 2014 será o seu melhor ano de sempre, com um valor que deverá ultrapassar os 4,5 milhões de toneladas.
Estes números estão em linha com o previsto no plano estratégico do Porto de Aveiro, lançado em 2000 e que estabeleceu um conjunto de investimentos destinados a colocar o Porto de Aveiro no patamar dos 5 milhões de toneladas em 2015.
Neste cenário, o movimento de mercadorias no Porto de Aveiro apresentará um crescimento de cerca de 20% em relação ao ano transato, o qual já tinha registado um incremento muito próximo desse valor no confronto com 2012.

24 de novembro de 2014

Porto de Sines: Impacte ambiental da expansão do TXXI sob consulta

Encontra-se em consulta pública, até 15 de dezembro, o estudo de impacte ambiental da terceira e quarta fases do projeto de expansão do terminal de contentores do porto de Sines.
Em causa está a ampliação do cais do Terminal XXI, que, na terceira fase, fica com capacidade para movimentar anualmente 2,3 milhões de TEU (unidade equivalente a um contentor de 20 pés) e, na quarta fase, aumenta para três milhões de TEU, é indicado no resumo não técnico, avança a Lusa.
A ampliação do cais implica ainda a extensão do terrapleno e do respectivo molhe de protecção, pode ler-se no mesmo documento.
Atualmente, estão em curso as obras de alargamento do cais de 730 para 940 metros, previstas na segunda fase de expansão, que deixam o porto alentejano com uma capacidade de movimentação de 1,3 milhões de TEU anuais.
O investimento respeitante à terceira fase do projecto tem sido negociado, nos últimos meses, entre a PSA Sines, empresa concessionária do Terminal XXI, a Administração dos Portos de Sines e do Algarve e o Governo.
A aprovação está também dependente de Declaração de Impacte Ambiental Favorável ou Condicionalmente Favorável, emitida pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) ou pelo secretário de Estado do Ambiente. Em comunicado enviado hoje à Lusa, a APA informa que tal declaração "deverá ser emitida" até 20 de janeiro do próximo ano.
De acordo com a mesma nota, o estudo de impacte ambiental, incluindo o resumo não técnico, está disponível para consulta pública, até 15 de dezembro, na APA, na Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo, na Câmara Municipal de Sines e na Internet.

21 de novembro de 2014

Para a Guiné

Mais uma carga efectuada pela empresa de estiva AVEIPORT. Nesta caso ficam as fotos do navio com viaturas em convés.






ShoreTension - Sistema de amarração dinâmico


 Cada vez mais os terminais marítimos são construídos em áreas expostas e os navios atracados enfrentam condições climáticas cada vez mais adversas. Além disso, as exigências crescentes sobre a acessibilidade e a operacionalidade dos terminais  impor maiores exigências e condições de atracação. Para reduzir o impacto das condições atmosféricas adversas, é  normalmente necessário implementar medidas dispendiosas, como por exemplo, quebra-mares (independente).
O sistema dinâmico, "ShoreTension",  proporciona alta pré-tensão e reduz a carga nos cabos de amarração. Juntamente com o sistema de defensas, o movimento dos navios é significativamente reduzido. O contínuo crescimento do tamanho dos navios coloca desafios fundamentais para a segurança das operações de atracação e acostagem. Devido às grandes áreas vélicas, por exemplo,  de navios porta-contentores, ro-ro e navios de cruzeiro, os cabos  de amarração são expostos a cargas elevadas sob condições de vento e ondulação severas. A solução seria utilizar mais cabos e mais longos. O sistema dinâmico, "ShoreTension", foi desenvolvido para aumentar a capacidade de atracação de navios de grande porte. O ShoreTension proporciona alta tensão no cabo de amarração,  e gere os  os picos de carga sem exceder a carga mínima de ruptura do cabo. oportodagraciosa