24 de Outubro de 2014

Descarga de palmiste

Início de descarga de palmiste no terminal norte do porto de Aveiro.



 

21 de Outubro de 2014

Foto na foto...


Resposta de "alguém", que conhece o sector, ao comunicado da COMUNIDADE PORTUÁRIA DE AVEIRO

Porto de Aveiro - Taxa Movimentação de Carga  PARA LER NA ÍNTEGRA AQUI
Assisti boquiaberto ao comportamento da Comunidade Portuária de Aveiro, durante o período de tempo em que a APA “tratou” do assunto em referência.
Em vez de uma entidade isenta, a C.P.A. teve um comportamento de “pau mandado” obedecendo cega e desavergonhadamente às “ordens” da APA.
Parte do comportamento, até se compreende, esta CPA, foi “armada” a belo prazer da APA, com a singela finalidade de ser sua bengala.
Assim, a CPA desconhece (por absoluto desinteresse) o histórico das taxas e dos procedimentos no porto de Aveiro.
Caso soubesse minimamente o que isto é e o que deveria ser o seu papel, a CPA com certeza que não aceitaria que o seu comunicado de 24 de Setembro passado, tivesse frases como: “… permitir aos utilizadores do porto obter nestes terminais custos logísticos mais competitivos, por incorporação de maior concorrência na operação portuária, só possíveis num modelo de operação que potencie o licenciamento e não a concessão.”, ou ainda “…estimulando também o investimento em equipamentos de movimentação vertical (guindastes) privados, destinados a substituir as unidades obsoletas pertencentes à autoridade portuária…”
Se soubessem o que é este meio, perceberiam facilmente que uma ideia contraria a outra. Mas enfim… aí no continente, às vezes não querem ver o que está bem às claras.
Gostava de lembrar a propósito que a taxa em questão, resultante das normas transitórias do TGS, levou a APA a escrever em Janeiro de 2008, algo assim: “ …Não haver lugar a débito suplementar pelo uso do equipamento de movimentação vertical próprio por estes… garantam rendimentos justificada e claramente superiores aos obtidos com os equipamentos da autoridade portuária, de modo a que desse facto resulte um desempenho acrescido na perspetiva da melhoria da competitividade do porto de Aveiro.
Como tenho a certeza que a CPA percebeu o porquê, eu explico: ao tempo, a APA tinha as contas equilibradas, mas por falta de decisões da sua administração, hoje tem um buraco orçamental (conta-se) de 3,5 milhões de euros.
Assim, em vez de reduzir custos, há que mexer nas receitas, não interessa à custa de quem.
Como se diz em linguagem do sector: só estando dentro do barco, sabemos o que lá se passa.
Em vez de contar lérias, seria bom que a administração contasse a verdade e reconhecesse que este deficit resulta unicamente da sua teimosia e inaptidão e ainda, de não ter concessionado em tempo devido os diversos terminais (como todos os outros portos nacionais), que são tidos como um exemplo de boa gestão e atualmente se preparam para baixar as taxas das concessões.
Este é a verdade nua e crua. O resto são balelas.
Mas permitam-me dar-lhe a conhecer (acredito que a CPA não saiba), que o movimento do porto de Aveiro, após a entrada da nova taxa em setembro passado, tem vindo a registar um decréscimo progressivo nas suas cargas, que no primeiro mês foi na ordem dos 11% e tudo indica, será em outubro ainda mais significativo.
  • Como explicam esta situação?
  • Onde raio estão os efeitos benditos que, como por milagre (ou bruxaria) a CPA prometeu com a nova taxa?
  • Como vão explicar esta situação à Secretaria de Estado, onde em julho, tão à pressa, foram vender quimeras?
  • O buraco orçamental da APA vai assim aumentar. Como resolver?
  • Com novas taxas em 2015?
  • Com aumento significativo das existentes??
Eleutério Bettencourt
Açores – outubro / 2014

20 de Outubro de 2014

Leixões movimenta 13 milhões de toneladas

O Porto de Leixões movimentou, até ao mês de setembro, 13,2 milhões de toneladas de mercadorias, sendo maior a percentagem de crescimento na carga ro-ro (+937%) face ao período homólogo de 2013.
Também com balanço positivo, destaca-se a carga contentorizada, com um aumento de 7,2%, a carga fraccionada (+2,8%) e os granéis sólidos (+1,4%).O movimento de contentores cresceu 10,3%, em TEU’s e 10,8% em número. Por outro lado, os granéis líquidos sofreram uma quebra de 10% associada à redução na importação de petróleo em bruto.
Até setembro de 2014, o Porto de Leixões exportou 4,3 milhões de toneladas de mercadorias, assinalando um crescimento de 6,8%. A exportação de pellets registou um aumento significativo (+134,7%), a par do papel (+22,6%), das bebidas (+21,2%) e dos cubos de granito (+17,1%). A Bélgica foi o país que mais contribuiu para o crescimento nesta área (+65%) o que está associado a um forte crescimento dos produtos refinados para este destino (+105%).

Porto de Setúbal ultrapassou os 6 milhões de toneladas até setembro

Até ao mês de setembro, o porto de Setúbal ultrapassou os 6,1 milhões de toneladas movimentadas, o que representa, face a 2013 e 2012, um incremento de cerca de 18% e 27% de carga, respetivamente (até setembro, em 2013, movimentou-se 5,2 milhões de toneladas e, em 2012, 4,8 milhões de toneladas).
As exportações através do porto de Setúbal continuam em destaque, sendo que a carga de exportação representou mais de 67% do total das mercadorias movimentadas, com mais de 4,1 milhões de toneladas embarcadas. No mesmo período, em 2013, exportaram-se perto de 3,4 milhões de toneladas, e, em 2012, cerca de 3,1 milhões de toneladas.
A carga geral e os granéis sólidos impulsionam a movimentação do porto, respetivamente, com 3,3
milhões de toneladas, mais 20% do que em 2013, e 2,5 milhões de toneladas, mais 20%. O movimento de contentores prossegue o caminho de afirmação no Porto de Setúbal, atingiu 77 mil TEU, movimento 63% superior ao mesmo período, em 2013, e superior em 90%, relativamente a 2012. O modo Roll-on Roll-off também mantém um movimento positivo sustentado, atingiu, até agosto, mais de 109 mil viaturas, mais 19 %, em relação a 2013, com um crescimento de 33% nas importações de veículos.
Por mercadorias movimentadas, lidera o cimento, com 1,5 milhões de toneladas, seguido do clínquer, com 940 mil toneladas, dos produtos metalúrgicos, com 845 mil toneladas, dos adubos, com 393 mil toneladas, da madeira, com 333 mil toneladas, dos minérios, com 316 mil toneladas, e do papel, com 232 mil toneladas. Por terminais, os de Serviço Público movimentaram mais 21%, com cerca de 3,6 milhões de toneladas, e os Terminais de Uso Privativo, 13%, com um movimento de cerca de 2,5 milhões de toneladas.

Belmar da Costa reeleito para presidência da Ecasba

António Belmar da Costa foi reeleito presidente da Ecasba, naquele que será o seu quarto mandato consecutivo enquanto líder da associação. O responsável da APTMCD e da Agepor foi ainda escolhido como vice-presidente para a Europa da Fonasba.
Belmar da Costa foi reconduzido na liderança da associação na Assembleia Geral da Fonasba, que decorreu Gotemburgo na semana passada.
O brasileiro Glen Gordon Findlay foi eleito presidente da Fonasba para o triénio 2014-16, sucedendo no cargo à norte-americana Marygrace Collins. 

17 de Outubro de 2014

Resgate de dois tripulantes do veleiro "CHILOM"

       
Imagens do resgate de dois tripulantes do veleiro "CHILOM" a 110 km a Oeste da ilha das Flores realizado pela Esquadra 751. O resgate foi realizado em condições meteorológicas muito adversas.

Chegada do N/M "Ponta do Sol", ao porto da Graciosa

           
Um pequeno vídeo realizado aquando da chegada ao porto da Graciosa do N/M "Ponta do Sol", no dia 15 de Outubro de 2014. Esta escala da Boxlines, não se afigurava como fácil em virtude das condições meteorológicas adversas nomeadamente a ondulação existente no interior do porto. Felizmente Comandante e Pilotos conseguiram que a operação se efectuasse!
oportodagraciosa

15 de Outubro de 2014

TLC cresceu 14,6% em Setembro

O TCL tem vindo a crescer ao longo do ano, batendo sucessivos recordes, e no mês de setembro movimentou 54.794 TEU, o que representou um ganho homólogo de 14,6%. Se o termo de comparação for o número de contentores movimentados, o crescimento ainda foi maior: 15,9%.
Assim, nos primeiros três trimesres do ano, o TCL acumulou 491.373 TEU movimentados (310.773 contentores), marca que constitui um novo máximo, superando em 10,2% o realizado nos primeiros nove meses de 2013.
O TCL espera, no seguimento destes resultados, que em 2014 um novo máximo de movimentação de contentores seja alcançado.

13 de Outubro de 2014

Liebherr Mobile Harbour Crane - LHM driver's comfort

             

Resultado votação

Porto de Aveiro agravou tarifário em Setembro.

  • Concordo                                                              - 8

  • Não concordo                                                       - 5

  • Só assim é que o porto pode ser competitivo    -127 

  • Com estas taxas o porto perde competitividade - 28

Impasse, indecisão ou outra coisa qualquer

Pode parecer uma abordagem demasiada simplista, quando se trata, não de uma coisa qualquer, mas de uma coisa deveras importante para o desenvolvimento do país. Trata-se da ligação ferroviária do Porto de Sines à Europa, mais precisamente duma ligação efetiva, destinada a mercadorias, que é preciso concretizar de forma continuada, entre Sines e Elvas/Caia.
Certo é que há uma ligação, mas que é longa e demorada, via Entroncamento, através da Linha do Leste, com um total de 452 km, não eletrificada na sua maior parte e que, tem um tempo médio de percurso de cerca de 8 horas. A qual se julga ineficiente para corresponder à ambição da conquista de mercados na região de Madrid, não nos permitindo ser competitivos face aos portos espanhóis.
Esta constatação confrontada com a necessidade de se construir essa ligação mais rápida e competitiva tem motivado sucessivas manifestações de intenção, atravessando o mandato dos diferentes governos, há mais de 15 anos. E no entanto, continua no plano de intenções e não há meio de se concretizar.
Recentemente, duma forma tímida, o atual governo considerou este projeto como sendo a 25ª prioridade apontada pelo GTIEVA – Grupo de Trabalho para as Infraestruturas de Elevado Valor Acrescentado, integrando o PETI – Plano Estratégico para os Transportes e Infraestruturas. Talvez, ao que julgamos, suportado por estudos elaborados pela REFER, que apontam para a falta de viabilidade financeira deste investimento, embora com sustentabilidade económica, em muito suportada pelos benefícios decorrentes dos impactos positivos em termos ambientais e no domínio do desenvolvimento regional.

9 de Outubro de 2014

Mulheres

Na aviação , estiva e policia.
                      

Embarque de soja no Brasil

Operação de embarque de soja com ship louder no terminal do Guaruja Porto de santos.Trabalho simultâneo de embarque de soja com rechego realizado com trator de lagartas .
                      

O "chefe" do cimento

Aqui andava disfarçado nas bobinas...

O banho público do "teka"





7 de Outubro de 2014

A última viagem do "Atlântida" (Reportagem do Expressso)

                

ISCIA com segunda edição de especialização em Gestão Ambiental Portuária

O ISCIA – Instituto Superior de Ciências da Informação e da Administração, em cooperação com a ENIDH – Escola Superior Náutica Infante D. Henrique e com o apoio da APP – Associação dos Portos de Portugal e da APLOP – Associação dos Portos de Língua Portuguesa, vai promover a segunda edição de especialização em Gestão Ambiental Portuária.
A especialização conta ainda com colaboração de diversas Administrações Portuárias (APA – Administração do Porto de Aveiro, APDL – Administração dos Portos do Douro e Leixões, APL – Administração do Porto de Lisboa, APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra e APS – Administração do Porto de Sines).
Vocacionado para todos aqueles que estão envolvidos com responsabilidades sobre questões ambientais em ambiente portuário, o curso visa: proporcionar capacidades para responsabilidades sobre questões ambientais em ambiente portuário, considerando as pressões de natureza ambiental que têm vindo a ser colocadas à gestão dos portos; conhecer e avaliar as principais iniciativas regulamentares adotadas, a nível internacional e nacional; identificar aspetos e impactos ambientais na gestão e operação das atividades portuárias e identificar medidas que evitem ou minimizem os efeitos negativos dos impactos ambientais; conhecer e aplicar o Sistema de Gestão Ambiental Portuário; identificar e avaliar áreas de intervenção relacionadas com navios e com a autoridade portuária.
As matrículas encerram a 24 de outubro e o curso tem início no dia 27 do mesmo mês. Mais informações em: http://www.iscia.edu.pt/content/especializa%C3%A7%C3%A3o-em-gest%C3%A3o-ambiental-portu%C3%A1ria-2%C2%AAedi%C3%A7%C3%A3o

1 de Outubro de 2014

Chineses interessados no terminal do Barreiro

O grupo chinês Fosun revelou estar interessado no futuro terminal de contentores do Barreiro. Segundo o jornal de Negócios, a Fuson já manifestou a sua intenção de investir no novo terminal e na marina do Tejo à Administração do Porto de Lisboa. Esta última terá inclusive recebido uma comitiva chinesa que visitou Portugal este mês com o intuito de analisar novos investimentos no nosso país. Recorde-se que o grupo chinês adquiriu este ano o grupo Fidelidade e está na ‘corrida’ para a Espírito Santo Saúde.

Ligação Aveiro-Salamanca pode beneficiar de fundos comunitários

Ligação com a cidade espanhola faz parte de um dos “corredores” que podem ser apoiados com o maior pacote comunitário para melhorar infra-estruturas. O Porto de Aveiro pode ser um dos beneficados com a ligação.

PARA LER AQUI

Maersk Line quer mais 425 mil TEU até 2019

A Maersk Line não abdica da liderança mundial no transporte marítimo de contentores. A companhia dinamarquesa prevê encomendar novos navios a partir de meados de 2015, num investimento anual de três mil milhões de dólares até 2019.
“Para a nossa dimensão, precisamos de 425 000 TEU entre 2017 e 2019”, resumiu o CEO da Maersk Line perante os analistas, no Dia do Investidor, em que as companhias cotadas anunciam os planos para o seu futuro.
No caso da Maersk Line, o futuro passará por encomendar mais uns 30 Triple-E, de18 000 TEU, uma vez que Soren Skou descarta possibilidade de operar navios maiores. “Especula-se que poderíamos até aos 25 000 TEU… Não vejo que isso vá acontecer”, disse, considerando que os navios de mais de 18 000 TEU são menos flexíveis em termos operacionais.
Há já cerca de dois anos que a Maersk Line não encomenda novos porta-contentores, depois de ter surpreendido o mundo com a compra de 10+10 Triple-E, os maiores navios da actualidade. 
O novo programa de encomendas deverá ser anunciado em meados de 2015, de modo a que as primeiras entregas aconteçam em 2017, até 2019. Nesse entretanto, a Maersk Line investirá três mil milhões de dólares/ano.
Há cerca de duas semanas, a Alphaliner calculava que a MSC (parceira da Maersk Line na 2M) poderia chegar a número um mundial cerca do final de 2016, em consequência das encomendas de 50 navios totalizando mais de 600 mil TEU. Na altura, Soren Skou garantiu que a Maersk Line tudo faria para manter a sua posição de liderança. O CEO falava a sério.